sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

El tiempo pasa...

Ui, e como! Minha última postagem foi a do leilão da CowParade lá nos idos do dia 02/12. Desde lá muitas coisas aconteceram e tudo muito conturbado.
Final de ano acaba por nos levar à loucura!
Como já disse comecei a fazer parte do grupo Somaisarte que é comtemplado por 27 artistas, incluindo eu. Apresentamos um projeto para o concurso da Secretaria Municipal de Cultura de POA e fomos aprovados para um exposição que se chamará [Arte]³. Será composta de cubos que poderão ser movidos pelas pessoas e com essa movimentação poderá ser criada uma tela, sempre diferente!
Depois disso entramos em outro concurso, o da Opanka e então foi uma ataque aéreo total até a data de entrega...para depois ele prorrogarem.
Então, iniciaram as festas de final de ano no trabalho e minhas férias estavam para chegar. Chegaram num dia e no mesmo embarquei com família e cachorros para a praia. Embarquei imaginando sol, verão e bronzeado....
Ledo engano, cheguei em Itapema com sol e foi só. Desde então, do dia 08/12 estou na praia em sistema de engorde, frio, vento Sul, chuva, tudo o que um inverno gaúcho tem e que nós que viemos para Santa Catarina não queremos. Não sei quando chegará o verão por aqui.
Agora, apenas sei que estou mais branca que no dia em que nasci! Se continuar assim deverei chegar em Porto Alegre mais branca que a neve....ou a Branca de Neve...
Coisas do tempo...coisas dos humanos que estragaram o tempo...e o planeta...e tudo o mais...dentre eles eu que participei dessa presepada por muito tempo por pura ignorância.
Bem, assim que minha conexão voltar a ser mais rápida que uma carroça, e isso ocorre em determinados horários do dia, voltarei a postar.
Por enquanto, para um conexão 3G que para aqui em Itapema deveria ser 2G, estou com uma discada...mas sem ruídos...bela troca!

E, para não dizer que não lembro do Natal, vai aí um Papai Noel diferente.


HOHOHOHO
_/\_
Namastê


quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Leilão da Cowparade em Porto Alegre

São exatamente 00:30h do dia 02/12/2010. Assisti ao leilão da Cowparade pela TV. Sim, tive informações dos artistas que eu poderia, pois sou uma sem vaca, mas ajudante de uma, que poderia ir para a galeria superior gratuitamente ver diretamente, ao vivo. Não fui. Fui acolhida por parte desse grupo, que hoje se chama SOMAISARTE e amanhã, aqui na minha casa, no bairro Moinhos de Vento de Porto Alegre, nos reuniremos para projetos de 2011. Fiquei assistindo ao leilão e produzindo guloseimas para o dia de amanhã.
Porém, não pude deixar de perceber coisas que aqui vou colocar, e por itens para não esquecer:
1)      A princípio achei o leiloeiro fantástico, simpático e descolado. Depois percebi que seus cartões estavam marcados;
2)      Tentando reconhecer os artistas entre as mesas, como importantes que eram,  percebi que não, ninguém estava ali. Mandei MSN e descobri que todos estavam na “galera”, onde eu poderia ter ido sem pagar, mas sendo colocado como “camarotes” pelos repórteres da TV que transmitiam ao vivo.
3)      Não posso deixar de dizer que houve muita contradição na informação para os artistas que sempre seriam apenas “01 convidado” e depois poderia levar mais “01 acompanhante”. Na galera, aberta a todos. Pergunto, porque isso com o artista?
4)      Menosprezar os artistas, que poderiam ser visto e mostrados pela mídia, que parecia estar pautada. Porque não mostrar cada um deles quando sua vaca estava indo a leilão naquele momento?
5)      E, sempre sabendo que o início é sempre mais lento, mas que na seqüência não é assim, pude perceber que todas as cartadas foram jogadas sobre um GRENAL inexistente. Algumas obras foram colocadas nesse meio termo para levar a um ápice e foram derretridas.
6)      Para tanto, percebo que nenhuma ficou sem compra, pois todas as obras tiveram um lance.
7)      Porém me deu vergonha em perceber a manipulação da venda. Pude ver que o leiloeiro chamava mais umas que outras; sabia mais de umas que outras. Pude perceber, e até por saber, que a maioria das mais apresentadas eram as vacas que foram, as 10 convidadas. Sei, porque sei, que quem foi convidado se sentiu privilegiado e que depois se sentiu envergonhado e não comentava tal acontecimento junto aos que passaram por seleção.
8)      Porém, nesse leilão posso dizer, pelo que vi:
- Quem cantou na entrevista o comprador, levou um valor baixo;
- Quem se fez de banana, como Grêmio e Inter, não chegou, nem perto do desespero do leiloeiro perto da vaca anteriormente leiloada, da Carol W., que rapidamente, chegou em R$ 30 mil rapidamente, porque era linda; que a mais cara foi, e não foi dito o comprador, a Zero Hora Dominicow, do maior veículo de comunicação do Sul do pais e que foi encomendada.
9) Bem, quero dizer à Santa Catarina que não corram atrás dessa miséria que foi feita aqui:
            Artistas menosprezados na galeria, obras determinadas porque representam marcas (vejam o leilão daqui: Coca Cola, DCS, Zero Hora, Grêmio e Internacional)
Apenas digo, se for para ARTE, que assim o seja! Que se for para leiloar, que assim o seja! Que seja para ser real, que assim o seja!
Menos! Não sejam inexperientes para menosprezar que leitores não saibam que uma Vaca Cannes, de uma agência que caiu no jornal como agente de corrupção, que também produziu uma vaca da Vonpar (Coca Cola), outro seu cliente, e que esteve nos jornais nacionais e regionais .Quem comprou a Vaca Dominicow? A vaca Cannes? A Coca Cola? Não foi dito, mas as primeiras e outras de artistas que realmente participaram foi dito.
Por favor, se for para ser, que seja, na realidade.
Assim, Santa Catarina, que se forem fazer, façam de forma orgânica, natural como a Ilha da Magia; assim mesmo, como o estado se vende, verdadeiramente.
O artista não é um meio, mas sim o final! Se ele não vai ganhar, que ganhe repercussão. O leiloeiro ganhou, a empresa que patrocinou, merecidamente deve ter ganho 6 vezes mais!
 Se os artistas convidados a fazer algumas das peças estão presentes, que sejam ditos e não fiquem ocultos! Encarem seus amigos importantes de frente!
E, finalmente, façam do artista escolhido o real foco do leilão, pois aqui quem comprou não sabe reconhecer o rosto do artista que fez a obra que foi comprada. Nenhuma câmera buscou o artista enquanto sua obra estava sendo vendida como um pernil.
Essa era a regra, ter sua obra vendida como um pernil vivo e isso era sabido. Porém ser enfrentado por não aceitar o anonimato das peças encomendadas não estava no contrato. É prepotência.
Façam, mas façam bem!
Um mesmo patrocinador para uma mesma mostra (bendito seja!). Todas as vacas foram vendidas (as instituições gradecem). Todos os recordes foram batidos (isso foi real ou marketing?)
Sejam verdadeiros, por favor! Façam, mas façam direito e verdadeiramente!
Nunca vi tanta falta de respeito aos artista e à inteligência dos espectadores....uma tristeza!
Ao menos as crianças ganharam com isso...

domingo, 28 de novembro de 2010

Crise de identidade

Com a experiência da exposição percebi que criei um problema. Eu criei? Não sei, acho que ele se criou sozinho.
Vou explicar: Simone Guardiola e Nina Shô são a mesma pessoa.
Há uns 300 anos atrás, quando tive que criar um nick eu não queria usar o meu nome foi que tudo começou. Hoje ainda acho que é muito exposição, no caso de SPAM. Então pensei em colocar o apelido que meus sobrinhos tinham me dado. Vocês sabem que criança complicam os nomes e acabam ficando graciosos. Assim, Simone virou Shomone, que virou Shosho e acabou simplificado como Shô. Pelo número de caracteres que pedia testei Shosho: não deu. Testei Shomone: não deu. Então descobri que Sho - com acento ou sem acento - é um nome chinês. Me danei!
Enquanto estava fazendo isso escutava um som da Nina Simone. Pensei, vou usar isso! Mas também achei que não era justo, pois estava me apropriando de uma diva.
Então ocorreu a fusão, que contemplava tudo: diferente e com o número de caracteres. Testei nina.sho. Bingo!
Assim nasceu o nick e depois o que aconteceu eu não previ. As pessoas respondiam para mim assim: Olá Nina! Olá Nina Shô! Isso acontece até hoje mesmo tendo o meu nome em todos meus emails. Nina Shô virou uma entidade com vida própria!
Então, um dia acordei e resolvi ver uma assinatura oficial para Nina Shô. Ela tinha crescido sozinha e já estava adulta demais para exterminá-la. Confesso que gosto do que aconteceu. Acho Nina Shô sonoro, simpático e gentil.
Então o que é pessoal é Simone, e o que é da parte da arte e pública é Nina Shô.

Acho que deu para explicar um pouquinho dessa crise de identidade que aconteceu pelos corredores da exposição quando as pessoas me perguntavam exatamente quais eram meus trabalhos, pois só tinham telas assinadas pela Nina Shô...

Então, curtam um som da Nina Simone enquanto eu assino logo abaixo!

Nina Simone - Don't let me be misunderstood

terça-feira, 23 de novembro de 2010

O Violão

Num post sobre customização, lá em junho de 2010 - ...nossa, quanto tempo! - eu perguntei o que fariam com um violão retirado de uma caçamba de demolição que estava na rua. Bem, eu recebi várias opiniões e adorei todas, mas eram com pintura. Achei ótimo! Mas não era o que eu tinha em mente no momento. Então fui atrás das minhas ideias.
Confesso, já faz tempo que ele está pronto, mas meu tempo de fotografar durante o dia era restrito (tempo e lembrança. Ah, o alemão!). Bem, agora ele foi para a exposição. Hoje tirei fotos de dia. Dia nublado, mas dia, e junto ao quadro que sempre achei que ele deveria fica, o Pilintra's Soul.
Sim, esse quadro tem a alma do Pilintra. Para quem não sabe, Pilintra é o marido da pomba gira, um homem do mundo, da rua, do sexo. Deve ser por isso que a imagem dela é tão forte e furiosa, hihihihihihi... Esse quadro não foi feito para retratar a imagem do Pilintra original, mas fatos aconteceram enquanto eu o estava pintando.
Vou contar: meu professor de pintura olhou o projeto e disse: Não gostei. Esse cara parece aqueles violeiros de rodoviária de interior. Estupefata, retruquei: Como assim?! Ele é um bluzeiro de New Orleans! Ele rebateu: Tua imaginação é fantástica!
Bem, fui para casa arrasada...
Passado um tempo, eu ali, remando no término do quadro, chegou uma prima que é espírita e também pinta. Olhou o quadro e disse: É o Pilintra? Eu disse: Como assim?! Então, ela explicou quem ele era... Eu disse: é um bluzeiro de New Orleans. Ela amenizou: Não importa. Está lindo!
Continuei, já em tempos de não aguentar mais a sua pintura nos acabamentos na aula, e comentei o que minha prima havia dito. Então, meu professor disse: Bem, vou confessar. Desde a primeira vez que vi, ele me pareceu o Pilintra. Horrorizada, eu disse: Como assim!? Tu também? Bem capaz!...

Então, Pilintra's Soul e o violão ficaram juntos. Todos com alma de boemia, de noite, de vida, de sexo e sei lá mais o que. O que mais você acha?
Amanhã mais fotos da exposição, em primeira mão!

PS: A repercussão está tão grande que tirando os já vendidos anteriormente, se lá não vender nada, não importa. O ego está alimentado! Você sabe o que é expor onde você trabalha? Então...

O violão, lá em idos tempos de postagem, saído de uma caçamba de demolição
Na exposição, customizado e fazendo sucesso, pois todos perguntam se ele pode tocar. Eu não coloquei os acessórios de som, mas acho que deverá tocar. O Pilintra's Soul está ao lado...ou seria o bluzeiro...ou o violeiro de rodoviária das cidades do interior? Faça seu palpite!


segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Exposição Cenários mostra pintura e patchwork

Começou hoje (22/11) e vai até 3 de dezembro a mostra de arte ‘Cenários’, das artistas Simone Guardiola e Angela Garcia Verdi. Mixed media, Patchwork e pintura sobre tela se aconchegam no cenário, de forma solta e surpreendente.

As obras são puro talento. Simone faz Patchwork há dez anos. Desde então, numa longa caminhada, entrou em contato com um número variado de técnicas, começando com a geometria tradicional e o folk americano, passeando pelo quilt contemporâneo, pintura de tecidos e por fim de telas. Seu trabalho é marcado pelo traço e pela cor. Atualmente faz parte do Grupo SOMA, composto por 26 artistas que participaram da Cowparade.

Angela se dedica ao Patchwork há 14 anos. Seu estilo é Amish e Contemporâneo. Inspirada em cenas, que lembram cenários antigos de filmes americanos, seu trabalho migra do tradicional para o contemporâneo trazendo um maravilhoso quilt feito à mão.

A exposição está na passarela do andar térreo do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, na rua Otávio Francisco Caruso da Rocha, nº 300, e pode ser visitada entre 11h e 19h.
 

Eu fui. E você?

No sábado que antecedeu ao show de Macca acordei com helicópteros batendo suas pás sobre minha cabeça. Era Sir Paul McCartney chegando ao bairro. Chegou alegre e cortês como o Lorde que é. A banda já estava no hotel desde sexta e aproveitando o tempo quente tomando cerveja no Oca de Savoia. Paul apenas saiu para cumprir seus compromissos e isso era avisado aos vizinhos com sirenes e helicópteros. Assim sabíamos: Paul saiu; Paul chegou. Quando à noite caiu ninguém pensaria que um Beatle dormia ao lado. Tudo estava tranquilo.


Mas, domingo amanheceu efervescente e a vida se resumia ao antes e o após o show.

Mesmo que a fila de entrada fosse grande, observar a variedade do público, a animação das famílias, as músicas sendo cantaroladas em grupos, rever amigos que passavam, filhos, pais e avós unidos por um mesmo mito, foi o grande barato da espera.

Às 20h consegui entrar pelo portão 7 no estádio da Beira Rio e perceber aquele palco imenso crescendo em minha direção. Foi algo impressionante.

Britânicamente, às 21h, as luzes acendem e Paul dá Boa Noite à Porto Alegre.

Inacreditável! Um Beatle, a voz dos Beatles estava em solo gaúcho. Era real!... Impossível conter as lágrimas que ansiavam cair dos meus olhos e em todos os olhos dos que ali estavam. A voz uníssona de mais de 50 mil pessoas ainda ecoa na minha mente.

Não bastasse ter feito um show impecável, ter lavado nossa alma, realizado nossos sonhos e nos brindado com sua gentileza por 03 horas, Sir McCartney, sem necessitar agradar, resolve falar gauchês! A expressão "Bah, tri legal!" jamais será a mesma sem aquele sotaque britânico! E, ao perguntar ao público, já passadas duas horas de show - "Vocês estão bem? Siiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiim! E ele responder: Nós, too. – pode-se perceber que sim, ele realmente se sentia bem em nosso solo.

Paul ainda nos homenageou com fogos de artifício, com a bandeira brasileira tremulante em suas mãos e com uma linda chuva de papéis verde e amarelo que foram gentilmente distribuídos pela brisa fresca e primaveril que soprava na beira do Guaiba sobre nossas cabeças. O tempo foi impecável para receber Macca, e nós abençoados.

Quando o sonho terminou e começamos a rumar para casa, Paul já estava sobrevoando a cidade rumo a Buenos Aires. Não tínhamos chegado em casa e Paul já deveria estar em Buenos Aires. Mas, nesse dia pudemos andar pelas ruas da cidade sem medo, todos juntos e leves. O impacto do espetáculo foi tanto que saímos mudos. Eventualmente uma lembrança forte era maior e lacônicamente um comentário era feito. A resposta era sempre rumorosa: Ahãm...Bah...

E, se fosse possível, para se despedir de Sir Paul McCartney eu gostaria de ter colocado uma faixa na entrada do aeroporto, nos moldes daquelas placas de cidades pequenas e hospitaleiras:

Come again, Paul! Porto Alegre appreciates your visit.



Cenas do show


Terminado o show as pessoas não queriam sair e ali ficaram, esperando algo a mais e recordando algo que jamais voltará a ser apresentado. Pois vocês sabem que Porto Alegre foi agraciada com este show porque o Maracanã não estava disponível. Não fomos a escolha, mas mostramos que poderíamos ter sido e que merecemos esses espetáculos!




 

Um tempo para mim

Nossa, muito tempo passou e tantas coisas aconteceram...
Me dei um tempo sem fazer nada. Absolutamente nada. Meu corpo e minha mente precisavam disso, e pediram isso. Então, eu aceitei.
Mas, apesar de não fazer nada, eu fiz muitas coisas....contraditório, mas real.
Olha só:
1) Não fiz nada
2) Comprei roupas de verão e arrumei as bainhas
3) Não fiz nada
4) Costurei umas roupas de verão para mim
5) Não fiz nada
6) Comprei livros e comecei a ler
7) Não fiz nada e segui lendo
8) Comprei entradas para o show do Paul McCartney
9) Fui ao show
10) Entrei em êxtase juvenil
11) Não fiz nada
12) Tive que começar a pensar na minha exposição individual
13) Entrei num grupo de artistas da Cowparade, que se chama SOMA, para um projeto em 2011
14) O grupo já cria outro projeto para 2011
15) O grupo já cria o terceiro projeto para 2011
16) Planejei e executei a exposição Cenários que começou hoje na sala de Artes do TRF4
17) Entrei na ativa novamente
18) Saio de férias em dezembro
19) Volto a não fazer nada
20) Férias, tempo de criatividade e esboços de projeto, ou seja, estou na ativa novamente.

UFA! 2011 não começou mas já mostra a quem vem!
Mas, mesmo assim, não ter feito nada por algum tempo foi muito bom.
Voltei a me reencontrar e isso é muito bom!
Vestindo a camiseta com uma expressão gaúcha que descreve tudo isso, me despeço para escrever outro post:
BEM CAPAZ! Rio Grande do Sul - Brasil.

terça-feira, 26 de outubro de 2010

O Natal chega às vitrines

Já faz um tempo que não escrevo. Confesso: o final do ano se apoderou de mim. Alguns poderão concordar, outros não, mas nessa época do ano um cansaço enorme se apodera do meu corpo e da minha mente. Posso dizer até, um desânimo...Ver o ano terminar tão rápido e perceber não ter feito tudo o que queríamos é desalentador. Porém isso não é motivo para as tantas coisas que começam a acontecer, como em todos os anos.
Essa semana vi um táxi passar na faixa de segurança aqui da 24 de outubro desequilibrando um pedestre e fazendo-o cair. O táxi não parou. O pedestre foi auxiliado. E, para piorar, ele era especial.
Todos os anos quando termina outubro e começa novembro o trânsito começa a ficar mais louco e intenso. As pessoas abrem as janelas e xingam. Carros que não saíam, saem. Pessoas começam a correr atrás do tempo perdido. Perdido está...E o natal começa a aparecer nas vitrines. Mas, natal não é isso: vitrines. Natal é mais do que isso.
Tranquilidade, pois se não foi feito esse ano poderá ser feito ano que vem. Paz, pois somente assim poderemos seguir com equilíbrio na alma. Sorriso no rosto, pois sem ele envelhecemos a face e endurecemos a vida. Atitude, de civilidade, de confraternização, de amizade, de respeito.
Seu tempo não é melhor e nem maior que os demais. Uma vida vale mais. Sua vida vale mais!
O tempo...bem o próximo minuto que não fiz nada já será passado.
Faça algo melhor por seu presente e se dê esse presente.
Seja mais humano.

PS: Para quem me xinga no trânsito nessa época do ano sempre desejo Feliz Natal!



sábado, 16 de outubro de 2010

Reunião dos artistas da Cowparade Porto Alegre 2010

Foi aqui, na Vasco da Gama, bairro Rio Branco, na pizzaria Boulevard que alguns artistas da Cowparade se reuniram para confratenizar. Esse foi o primeiro encontro.
A troca de experiências segue quando as obras vão para as ruas. Escutá-los é fantástico! A empolgação por presenciar a interatividade do público é grande, e maior ainda quando o público descobre que o artista está ao lado! Todos são unânimes em dizer que se sentem gratificados com o carinho do público.
É claro que a preocupação com a obra é grande! Muitos entusiastas acabam, sem querer, provocando estragos. O mais comentado foi o estrago feito na vaca que está no Bourbon Country que tem um pelego de cerâmica que já está tão quebrado que aparece a trama de arames. Ele é tão perfeito que é difícil de perceber sua fragilidade...
A vaca favela de Paulo Thumé está no Parcão e já foi mudada de lugar para melhor exibição. Ele esteve lá e percebeu a animação das crianças e das famílias. Uchôa que está com sua vaca na Padre Chagas é um italiano nato! Fala com as mãos e mostra sua animação sempre percebendo que sua obra está em boas mãos, pois aqui no Moinhos ela será apreciada.
Desse encontro de artistas gaúchos já nascem muitas idéias conjuntas e cabe a nós esperar para conhecer melhor seus trabalhos pessoais, que diga-se já mostram ser ma-ra-vi-lho-sos!
De plantão para outro encontro, desde aqui do Moinhos de Vento



Mixed Media para esse ano

Fiz uma pesquisa e descobri que o ano já acabou! Para você também? Eu já senti isso no meu corpo...Tem dias que tenho vontade de dormir até o ano novo começar e, ao mesmo tempo, já percebo o trânsito enlouquecido que sempre insiste em começar furioso quando chegam os meses que terminam o ano. Não sei se isso apenas acontece aqui em Porto Alegre, mas tenho a impressão que as pessoas ficam mais agitadas e mais furiosas, pois parece que o ano terminou e não conseguiram fazer tudo o que queriam ou precisavam. Assim, saem furiosas e irritadas, deixando aquele espírito natalino apenas para sua ceia familiar...
Bem, então, apesar do sucesso da Convenção de Arte Decorativa, nos quesitos pintura em tela e em tecido, resolvi deixar passar todas as atribulações do final de ano, não só para mim como para todas as interessadas, e começar o ano com prenúncios novos e alvissareiros. Gostaria de ter pessoas querendo aprender com ares limpos e almas leves, pois darei aulas dentro da minha casa, para amigas que quero guardar na alma e junto comigo.
Penso que juntar muitas coisas ao mesmo tempo pode, apenas, dar em um "ataque aéreo" - sabem aquela situação em que todos correm para vários lados mas ninguém se encontra e poucos se salvam?- então, deixar o ano terminar com sabor de querer mais para o próximo.
Assim, em 2011 mandarei emails a todas com as datas de aulas para ensinar as técnicas mais livres e loucas que libertarão seu quilt, seu patchwork, sua pintura sobre tela, madeira, metal, enfim, sermos felizes!
Mas, sugiro que usem suas câmeras fotográficas digitais com seus olhares peculiares; arrisquem linhas tortuosas de idéias em papéis; registrem momentos nos olhos, colham cores na pele e tragam suas impressões para produzir projetos pessoais melhores.
Nos veremos em 2011, respeitando esse dado momento nacional...mundial...universal...pessoal...de todoas nós!
O que acham?

O sol e a proteção que vamos aproveitar

Nosso charme levado à beira mar

A última dança do ano, num caso sério, de Pedro Alvarez, que estou reproduzindo como aprendizado


segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Ainda nas vacas

Horrivelmente tenho que dizer que Porto Alegre sacrificou duas vacas por falta de educação. Ou seja, a civilidade foi para o brejo!
Uma delas foi roubada assim que foi para as ruas. Após dois dias voltou sob a explicação de acharem que ela havia sido esquecida ali e que não queriam que fosse estragada. Bem, ao menos foi devolvida.
A outra foi ateada fogo. Uma boa alma chegou no  momento de não tê-la carbonizada.
Para gaúchos que se dizem mais europeus que o resto do Brasil, a capital gaúcha se mostra desmoralizada.
Agora há uma votação para a vaca mais bonita.
Puxando o "fogopara a nossa brasa" peço votos.
Votem na vaquinha do Rodrigo Corrêa, onde eu e outras colegas de pintura ajudaram a pintar.
A vaca Pensamento, do artista Rodrigo Corrêa está exposta na Sala de Cultura Mário Quintana e é inspirada na obra de Gustav Klimt. Assim, peço a todos que entrem no site da Zero Hora e votem em nós!
Aqui uma foto dessa belezura!




sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Notícias da CowParade

Montei outro vídeo. A euforia era tanta em vê-las saindo para a rua que troquei vários nomes. Mas, o que me consola é que não serei apenas eu!
Aqui também quero deixar registrado as fotos que fizemos da vaca roubada. Sim! Pasmem, no amanhecer ela já não estava mais no local. Foi a primeira vaca que vimos exposta enquanto tomávamos o caminho do Mercado Público para encontrar com o caminhão que lá deixava as mimosas.
A Cowó(ptica) estava lindamente exposta. Não recordo bem a hora, mas isso foi após a 1:30h AM. Não entendo o que uma pessoa poderá fazer com um objeto tão exposto e grande. Jamais poderá mostrar pois poderá ir preso. Vender nem pensar! Então vamos ter civilidade...devolva a vaca ao seu local de exposição. Não precisa aparecer, apenas devolva.

Vamos ao vídeo e às fotos?
video




Cowrrida pelas ruas de Porto Alegre

Como eu disse fui pegar as vacas pela imagem!
Ainda expostas no galpão no Cais do Porto onde foi a festa, elas esperavam serenamente pela condução para chegar aos pontos onde seriam expostas. Não tinha como escolher qual caminhão viria para o Moinhos de Vento, mas tinhamos que sair correndo para não perder as primeiras imagens da noite.
E assim foi! Um artista maluco e uma aprendiz de artes foram atrás dos primeiros caminhões que sairam.
As vacas chegaram!


quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Convenção de Arte Decorativa em Porto Alegre

Conhecer pessoas é sempre ma-ra-vi-lho-so!
Tivemos um público grande para uma proposta tão inovativa!
Trocamos idéias e técnicas fantasticamente!
Duas de nossas apresentações foram gratuitas, e por óbvio, tivemos maior público nelas! As pessoas, ma-ra-vi-lho-sas!
No sábado fizemos mais apresentações. Mostramos como fazer transferência de impressão; apresentamos o produto nacional mais barato e que se encontra na ferragem para fazer transferência de imagem e de impressão, a transferência de transparência, o papel importado para transferência que é tudo de bom e levei meu aparelho de Thermofax gravando 3 acetados e depois sorteando entre as alunas. Descobri uma nova linha de tintas para tecidos, a Seda Color (que também tem um blog ) e troquei endereços com pessoas maravilhosas!
Gente, foi fan-tás-ti-co!
Aqui algumas fotos em ação para verem que vale a pena viajar e conhecer pessoas, assim como trocar conhecimentos.
_/\_
Namastê





 Como vocês podem ver eu sou de origem italiana! Falo com as mãos...e com a boca também...assinhó, quase um bocão! Os trabalhos referência foram expostos ao fundo; a apresentação feita com slides e a mostragem de arquivos digitais antes e depois da preparação para gravar um acetato, assim como se faz e como fica uma transferência de imagem depois que você toma seu copo de vinho, namora e dorme! Hihihihihihi...


Estatísticas

Quando se tem um blog é possível saber muitas coisas. As estatísticas estão aí para isso. Mas ela não é tudo!
Eu posso saber o estado ou país de onde você acessou. Eu posso saber a pesquisa que você fez até cair no meu blog e ter interesse. Eu posso saber o blog ou o site de referência de onde você veio e para onde você foi. Porém, na maioria das vezes não posso saber quem é você e falar diretamente com você!
Hoje tive mais de 100 acessos no meu blog e sei que há pessoas com dúvida sobre a diferença entre quilt e patchwork, sobre fixador caseiro para tinta Guarani; que queria saber mais sobre a técnica de Aquarela Quilt ou sobre a pintura de aquarela sobre o tecido para quilt e que queria templates ou moldes grátis.
Eu poderia responder diretamente a todas vocês! Eu poderia saber mais sobre suas angustias e postar algo mais direcionado! Mas, para isso eu preciso falar diretamente com vocês.
Então, entrem como seguidoras, deixem comentários com seus emails ou deixem seu email registrado assinando o blog para receber as atualizações diretamente em seus endereços de emails.
Falem diretamente comigo e poderemos ser amigas e trocar aprendizados.
Bjs e Namastê...

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Transferência de imagem - passo a passo

Vai ser longo, prepare-se, mas irá tudo bem explicadinho!

Essa é apenas uma das várias, mas várias formas de fazer transferência de imagem que ensinei na Convenção de Arte Decorativa.
Seja em tecido, tela de pintura já preparada com gesso acrílico, madeira, papel, metal e parede a transferência de imagem não tem produto especial, não tem mistério e não tem como errar se você tomar alguns cuidados.
Então vamos aos cuidados:
1) Você tem que saber qual será a utilidade do material depois de feita a transferência. Por exemplo, se você vai fazer sobre tecido, saiba que vai ficar duro. Assim, não pense que poderá ter uma noite se sono tranquilo sob um edredom todo transferido. Porém, se sua intenção é fazer pequenas imagens, em pequenos blocos, em algumas partes do edredon, então obterá êxito.Se for para um assento de banco ou poltrona poderá tranferir todinho!
2) Se vai fazer sobre vidro ou metal é preciso que passe uma demão de primer antes de iniciar o processo.
3) Se vai fazer sobre papel pense que deverá ser uma papel grosso e preparado para receber água e abrasão, logo pense em Canson grosso para aquarela. Porém se sua imagem não ultrapassar o tamanho de sua impressora sugiro que imprima.

Então vamos lá:
1) Escolha a sua imagem e olhe bem seu projeto e imagem. Se neles contêm informações como escrita ou se no seu projeto a imagem precisa ficar num lado específico, por exemplo o da esquerda, quando for fazer a cópia peça para que seja rebatida.
2) Sua cópia ou impressão, como queiram, precisa ser LASER. O que isso significa? Se você tem em casa uma impressora comum como 99% das pessoas têm, ela NÃO é laser. É jato de tinta. Essa impressão não serve. Vá numa casa de cópias e peça para fazer uma cópia laser, que nada mais é que o nosso dizer coloquial: eu quero fazer uma xerox colorida. Você pode levar a imagem numa pendrive se seu arquivo for digital e até mandar por email, ou a revista com a imagem que lhe agradou. Com essas informações sairá de lá com o material que precisa. Lembre-se, se tiver informações de escrita é preciso pedir para rebater.
3) Com a imagem na mão você, conforme seu projeto, recorte a parte da imagem que quiser transferir. Se quiser a imagem inteira recorte o papel branco que não tem impressão. Isso é importante, pois também a parte em branco do papel vai transferir e, se você não quer uma imagem com bordas, deverá retirá-la.

Material necessário:
1) A base para onde vai transferir, no caso o tecido, a madeira, a parede, enfim o local onde a transferência vai ficar.
2) Tinta acrílica branca ou Gel Medium Acrílico. Bem, aqui vai uma explicação bem explicadinha. Se você for utilizar uma tela para pintura já preparada com gesso acrílico, ou vai fazer sobre  madeira, vidro ou parede pode e deve utilizar a tinta acrílica branca. Se você vai transferir para tecido sugiro o gel medium acrílico. Porque isso? Por que o gel fica menos duro no tecido. Então virá a pergunta: Posso utilizar o Gel Medium nos outros materiais? PODE! Posso utilizar a tinta acrílica no tecido? PODE!
Apenas porque já testei faço essas ponderações. Mas, faça seus testes e então saberá a melhor forma de transferência que vai solucionar seus problemas.
Os dois produtos fazem transferência.
3) Passe qualquer um dos produtos na área que sua imagem ocupará. Se sua imagem é recortada, por exemplo, faça uma demarcação da área com um lápis a volta, mas faça fraco para depois não ficar aparecendo. Lembre que a impressão ficará em contato com o produto, logo, demarque com a imagem virada para o tecido, por exemplo.
4) O produto não precisa quantidades enormes e nem poupaças desmedidas. Use o bom senso, por favor!
5) Passado o produto, coloque  a imagem impressa sobre o produto, utilize um cabo de tesoura ou um rolinho para retirar as bolhas de ar que ficarão entre o produto e a imagem. Nesse momento você perceberá que se colocou produto demais pois ele sairá pelas bordas. CUIDE para que ele não vá para cima do papel, pois dificultará a remoção do mesmo. Como são produtos a base de água passe um pano a volta para remover o execesso. No caso do tecido que é uma trama e que sugiro que seja feito com Gel Medium Acrílico, não adianta muito, pois uma vez em contato, mesmo retirando ele ficará por cima. Nesse caso saiba que o problema será apenas de aquela parte ficar mais dura. No caso de você querer tingir ou colorir, a tinta não penetrará na fibra, assim a borda de produto que sobrou fará parte da decoração de sua peça. No caso de outros suportes, como a tranferência é sempre o primiero passo a ser feito, ele podeá receber tinta e, se for o caso de ser removido não terá a trama para penetrar. Deu para entender?
Então, vem outro componente importante: PACIÊNCIA. Faça isso à noite e deixe esse material secar até o dia seguinte. NÃO ADIANTA PRESSA! NÃO ADIANTA USAR SECADOR OU SOPRADOR TÉRMICO, OU MESMO SOL PARA ACELERAR A SECAGEM. Apenas o passar do tempo dará o resultado certo. Se não quiser ter frustações, lembre-se bem disso: Da noite para o dia, de um dia para o outro. TEMPO! Então, entoe um mantra, tome uma taça de vinho, namore, vá ver um filme, durma bem e deixe o produto secar e agir na imagem.
6) Bem, agora já estamos no outro dia e você já tomou café da manhã. Então você vai até seu material bem seco e com o auxílio de água começará a friccionar para retirar o papel branco de cima.
Aqui vai uma dica: Quando ainda estamos com essa camada forte de papel descobri que usando a esponja de louça semi usada, aquela que tem um lado amarelo e outro verde - sabe qual é? - molhado e com um pouco de sabão ajuda muito o trabalho de retirada. Mas, você tem que saber que temos que ter paciência, fazer movimentos circulares, começar de dentro para fora e quando nas bordas retirar para o lado de fora. Se sua intenção é não deixar bordas, ou deixar bordas irregulares como uma foto velha, então não se preocupe muito com as bordas. A esponja deve ser espremida para retirar o excesso de água e sabão. Você só vai usar a esponja quando ainda estiver com muita camada de papel.
7) Ainda molhado parecerá que está pronto, porém quando secar bem vai aperecer uma "penugem" de papel que deixará sua imagem ainda sem definição. Então proceda a retirada umedecendo o dedo na água e indo calmamente fazendo rosquinhas e retirando o restante - assim como se retira o final do bronzeado no corpo, hihihihihi! Molhe o dedo e não a imagem, assim ficará mais fácil de conseguir a quantidade de água suficiente para fazer as rosquinhas. Sugiro fazer isso com um copo de vinho, na frente da novela e batendo um papo gostoso com a família e as amigas...Muita calma nessa hora!!! Não é uma questão de força, mas sim de paciência.
Se você estiver fazendo a transferência sobre o tecido, mais calma nessa hora! Ele, por si só tem a textura da trama o que facilita arrancar pequenos pedaços da imagem com a frixação. Lembre, entoe um mantra, tome um vinho e seja feliz...calma,calm,.calm,.calma...
8) Se você fizer sobre a parede não se empolgue com o tamanho e com a quantidade, pois poderá ficar sem digitais. Depois não diga que não avisei! Hihihihihi... Projeto é tudo!!!!

Agora uma explicação sobre o Gel Medium Acrílico. Há importados e há duas marcas nacionais, que não vou nomear por motivos particulares - nenhum deles por falta de qualidade, mas por falta de apoio de ambas - que estão no mercado e se pode comprar sem problemas. Lembre-se TEM QUE SER GEL, pois ambas tem na forma líquida e não serve. Eles vêm em bisnagas pequenas e médias. Porém, você pode ir numa ferragem e pedir da marca Sherwin Williams ou Suvinil. Eu cheguei na Leroy Merlin e pedi ao atendente Gel Medium Acrílico e ele me mostrou os dois. Resolvi escolher o da Sherwin Williams por gostar mais da tinta acrílica branca que é mais branca que as outras e não amarela com a ação da madeira. Na lata está escrito: Metalatex - Color Base Efeito Decorativo. É a base de água, tem pouco cheiro e pode ser usado sobre o tecido. É fosco também. Eu uso esse produto para outra técnica, a de tranferência de impressão que faço por meio da tela de serigrafia.
Se for sobre tecido, não se preocupe, pode lavar a mão ou a máquina. Não sai. Porém saiba que tudo é perecível, logo nada é eterno. E essa é a melhor parte, pois podemos renovar tudo novamente com nossa criatividade. Quanto tempo? Sei lá! Depende do uso e da quantidade de lavações que serão feitas. Só você saberá!
Bem, prometi e cumpri. Agora espero que me mostrem suas experiências, me contem seus problemas se tiverem e façam suas perguntas. Mandem fotos! Vou postar aqui. Entrem em contato com o email criadonobrasil@gmail.com.
Me contem e mostrem tudo!
Boas transferências!
PS: Vou abrir Workshop que ministrarei aqui em Porto Alegre e preparei apostilas para mais técnicas de transferências. Anunciarei aqui. Me siga!


sábado, 2 de outubro de 2010

Transferência de imagem

Sobre tecido, madeira, papel, metal , vidro...
Breve darei o passo a passo!
E o material não é importado e nem especial. Se não tens em casa é fácil de encontrar.
Mas, só vou dar os materiais dos fabricantes que não pedi apoio e, por isso, não são óbvios.
Vocês sabem gente, aqui um desabafo, os fabricantes nacionais de produtos são herméticos. Ficam naquela vida sem pesquisa, enquanto a necessidade aflora e as pessoas ficam correndo atrás!
Eu tive a necessidade e busquei na internet e na importação de produtos até descobrir o produto nacional similar. Pesquisa, sobre pesquisa, sobre pesquisa...Mas quem sou eu? Uma louca por técnicas que me facilitem a vida e que enobreçam meu patchwork. Mas eles, mesmo depois de  vários contatos seguem reclusos, incrustados e ferrenhos na sua arte de ver minguar o mercado interno. E eles já tem o produto fabricado e não sabem a metade para que ele serve!!!!! Imaginem!!!!!!!!!!
Bem, com a internet o mundo globalizou! Se eles não sabem e ensinam, aprendemos igualmente e vamos a luta!
Patchworkeiras, pintoras e pessoas que usam madeira, metal, papel, atenção!
Vou dar o passo a passo de "grátis" free!
Mas, por favor, me deixem passar o dia da votação onde sou mesária e a ressaca da Convenção de Arte Decorativa.
Breve aqui.

domingo, 26 de setembro de 2010

Convenção de Arte Decorativa

A Convenção de Arte Decorativa acontece em Porto Alegre a partir de 30/09/2010, ou seja, quinta-feira que vem!!!! Olha aí gente!!! Já chegou!
A dupla Pincel e Agulha, ou seja, o Rodrigo Corrêa e eu, a Simone Guardiola, estaremos apresentando a Mixed Media.
Mas, o que é isso?
Bem, você vai saber porque vai lá.
Estaremos com palestras de apresentação nos dias 30/09 e 01/10/10, porém no dia 02/010/10 vamos apresentar e apresentar. Como assim?
Nesse dia vamos mostrar mais!
Na aula magistral mostraremos mais técnicas para que saibam o quanto é bom trabalhar criativamente.
Então, aqui uma palinha do que preparamos hoje e que vamos mostrar.
Voilá!


Aqui, tudo é transferência de imagem sobre tecido. Algumas com interferências de pintura e outras diretas. Há, na esquerda, monotipia com interferência de pintura posterior. Transferência sobre tecido...eu sei, é tudo que todas querem saber...Eu também queria...e aprendi!



Mais transferências de imagem para tecido. Só para tecido? Não! Essas técnicas servem para madeira, couro, metal, acrílico, papel, tela... Apenas sobre tecido porque essa mídia é mais frágil e assim se ela aceita, todas aceitam! Foram cuidadosamente costuradas num pano só para mostrar que desenhar com a máquina é possível.

Perceba as fotos acima. Todas são transferência e a colorida teve a interferência da coloração. Abaixo, na calçada de Copacabana, serigrafia com interferência de pintura e outros tipos de transferência de imagem....Tudo de bom!



Mais detalhes...um pouco desfocados, mas dá para perceber...

   



Mixed Media.  Entre no site da Convenção de Arte Decorativa, marque sua presença no dia 02/10/2010 e então verás essas e outras técnicas, e mais dessa liberdade criativa.
 


VI Convenção de Arte Decorativa, em Porto Alegre. Começa no dia 30/09/2010.


Aqui, agradecendo a Lúcia Tesmer, organizadora da Convenção de Arte Decorativa que, sendo uma pessoa de vanguarda da arte, confiou e acreditou nesse movimento que tomará conta de sua criatividade.
Você ainda não marcou sua presença?
Faça já! As vagas são limitadas.

A gente se vê lá!

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Divirta-se com linhas

Essa é uma postagem da Retalhos Editora. Como somos compenetradamente lentas e cautelosas começaremos dando dicas legais para vocês começarem a aprimorar seu trabalho.
O verão está chegando e nossa disponibilidade para ficar dentro de casa, na frente da máquina diminui. Então, porque não começar a aprimorar e a pensar os projetos para o inverno seguinte?
Aqui vai um exercício que deve ser feito várias vezes. É simples e sempre, mas sempre, trará bons resultados!
Você está pronto para algum divertimento? Então, vamos fazer alguns exercícios, começando com uma associação livre.
Eu vou dizer uma palavra e você responde com a primeira coisa que vem em sua cabeça.
Pronto? Aqui vamos nós.

Eu: Desenho.
Você: ...?
O que veio à sua mente em primeiro lugar? Lápis? Livro? Linha? Pincel?
Ou poderia ser, galho, ferro de soldar, arame ou cotonete? Ou tinta, carvão, lápis de cera?

Tecidos entrelaçados como fios, páginas de papel, arames, etc

Quando a maioria de nós pensa sobre o desenho, lápis e papel são as primeiras coisas que pensamos. Mas, como artistas do quilt, podemos até pensar em desenho com pontos. Porém existem infinitas formas de criar diferentes tipos de linha e padrão de tecido, assim como diferentes formas de interpretar essas linhas. No entanto, a maioria de nós acaba por buscar auxílio junto aos trabalhos já feitos, pois eles já foram trabalhados e pensados no passado ou simplesmente porque caímos de amor por eles.
Conheço montes de pessoas que evita qualquer tipo de "desenho". Acreditam não ter capacidade e dom para fazê-los. Porém a linha é um dos elementos mais importantes de um projeto e é essencial quando se trabalha em fibras, ponto, quilt, pintura, padronagem e design de superfície.
No entanto, você não tem que fazer um desenho perfeito de algo para ter um trabalho artístico. Ao usar diferentes ferramentas e materiais para fazer as linhas e marcas, você pode encontrar inspiração para criar texturas, formas e desenhos para tudo.
Aqui está um ótimo exercício que encontrei para explorar o estilo, adaptado a partir do novo livro Hedley Gwen,onde o desenho é marca na tomada de decisão da arte têxtil . É uma atividade divertida, que com certeza irá soltá-la para começar a ver e criar linhas de uma maneira diferente.

O Exercício

Materiais:

• Uma variedade de ferramentas de desenho tais como: lápis fino, grosso, pincel, lápis de cor, moedas, enfim, use sua imaginação!

• Folhas de papel do mesmo tamanho

• tinta preta, seja nanquim, aquarela, tempera, acrílica, PVA...

• Tesoura


Execução:
1. Pense sobre os diferentes tipos de linhas que podem ser desenhadas, tais como:
• finas, estilo batata frita, pesadas, leves, suaves, duras
• Gordas, magras, contínuas, mescladas, retas, curvas, circulares
• Lisas, espetadas, pontilhadas, tracejadas, interrompidas

2. Escolha algumas das ações de desenho acima e as ferramentas ou instrumentos que ajudarão você a fornecer uma série de marcas no papel. Por exemplo, uma linha pontilhada fina pode ser feita com a ponta de um palito, cotonete fará pontos mais gordo, lápis com pontas de borracha fazem círculos perfeitos.

3. Mergulhe uma das ferramentas na tinta (um cotonete, por exemplo) e fazer marcas no papel. Você pode rodar a ferramenta sobre o papel para fazer uma um círculo, seja oval ou apenas um ponto; ou linhas contínuas de espessuras variadas; fazer pontos, etc. Em seguida tome outra ferramenta e faça diferentes tipos de linhas, deixe tocar as linhas anteriores. Sobreponha se quiser.

4. Continue desta maneira até que você tenha construído patches (pedaços pequenos) de vários tipos de linhas na totalidades da folha, na vertical e horizontal.

5. Quando tiver preenchido sua primeira página com as marcas, faça uma outra página, desta vez usando um papel mais fino ou mais grosso, ou seja, de espessura diferente do anterior, com um padrão ao estilo de texto (como do jornal, por exemplo). Quando você terminar corte as páginas em tiras, uma na horizontal e a outra vertical. Você pode cortar as tiras em linhas retas ou onduladas, ou alterar as larguras e a forma de corte.

6. Teça as tiras das duas páginas juntas, como um tear.


Inspiração de vidro quebrado

Dê uma olhada no resultado de seu trabalho, de seu novo design. Imagine as fibras ou pontos que você poderia usar para reproduzir os padrões que você vê? Por exemplo, você poderia fazer usando pontos: nós franceses, um ponto de cetim, apliques reversa, costura em quilt livre em um círculo, com impressão, ou com uma caneta que desaparece para quitar o tecido.

E se você ampliar (ou reduzir) uma parte desse projeto, com transferência de imagem pode tecer, pintar, quiltar esse projeto em tecido à mão, à máquina, como textura de base ou usando como negativo do espaço. E se você usou apenas um fio vermelho ou fio para criar o padrão? Ou óleo de varas, em vez de fibras? E se ... você ver onde eu estou indo com isso?

Vidro quebrado representado em pontos

Depois de fazer um exercício como este, você começará a ver as linhas em todos os lugares. Bom dia! Gravá-las para referência futura com sua câmera ou no seu caderno. Você vai se surpreender ao descobrir quão incomum e muitas linhas diferentes combinações padrão são todos ao seu redor.

Em Drawn para Stitch , Gwen encontra linhas em rochas, árvores, edifícios, muros de pedra, tipo um pára-brisas quebrado, entre outros. Fiquei fascinada pela forma como, apenas mudando uma coisa como a espessura do fio ou agulha de feltro, ao invés de costura à mão, ela consegue criar peças totalmente diferentes do mesmo padrão de linhas já vistos.
Há muita diversão e exercícios esclarecedores neste belo livro, e eu pretendo experimentar todos eles!

E você?





(Essa é uma tradução livre de uma newsletter da Revista Quilting Arts.)

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Moldes, Free, Templates, Grátis

Mais um molde grátis!
Aqui mais informações para quem nos é fiel!
Ah! Fidelidade! Que situação!!!
Quem já se inscreveu aqui, com seu email, receberá em seu email, diretamente, os moldes em PDF que colocarei a disposição!
Espero que aproveitem!
Hoje um molde de roupa para pets. Como assim?
Não me diga que você não tem um cachorro, um gato ou outro animal que você não considere um filho da casa, um filho seu?
Então, aqui no sul, cachorros e gatos sofrem com o frio e então, fazer roupinhas para eles, personalizadas, é algo normal!
Roupinhas para seus pets!
Aqui, para você que se inscrever para receber em casa!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...